Sandra Lima
Correspondente da TV LOKAL em Jacarepaguá
Produtora de Audiovisual
E-MAIL: sandralimaprodutora@gmail.com



Para Nasi, ex-vocalista do Ira!, Brasil não tem mais bandas boas de rock

Triângulos amorosos, rinha de egos, drogas e traições são os ingredientes do coquetel molotov que deu fim à banda de rock Ira! em 2007, após 26 anos de estrada. A combinação explosiva pode ser revisitada na biografia autorizada de Nasi — ex-vocalista e líder do grupo, fundado nos anos 80 — escrita por Alexandre Petillo e Mauro Beting. Nas estatísticas do cantor, apenas 20% da obra "A ira de Nasi" aborda novas e antigas polêmicas sobre o extinto conjunto. Embora tenha mensagens claras destinadas a cada um dos antigos parceiros nas páginas finais, ele garante que o livro não é uma provocação. “Não fiz para agredir ou passar a mão na cabeça de ninguém. Em entrevista ao G1, Nasi avalia com acidez o cenário nacional do rock e diz não temer que o livro sepulte oficialmente a banda. “Não tenho medo disso. Não estou nem ai se o Ira! vai voltar um dia. Estou muito bem do jeito que estou.” Para que houvesse uma turnê de despedida, seria necessário, antes, que ele e o guitarrista Edgard Scandurra tivessem um debate franco, numa espécie de acareação. “Só deveria voltar se realmente eu e o Edgard sentássemos juntos pra conversar. Olha, a gente se magoou, se machucou, vamos fazer uma turnê de despedida? Vamos falar o que está engasgado um pro outro, fechar isso. Se tiver que sair no tapa sai, como é em várias atividades, no futebol, e no rock acontece muito. Mas isso não vai acontecer. Não consigo ver por causa do Edgard, pelo jeito dele. Um poço de sensibilidade." G1 - O convite para escrever sua biografia partiu da editora, mas você sentia vontade do registro e de dar a sua versão dos fatos? Nasi - Não tinha parado pra pensar nisso ainda. Minha versão já tinha saído de maneira bem presente na mídia. Não sentia essa necessidade, mesmo porque o livro não tem a intenção de ser um acerto de contas, a palavra final. Acho que ele fala 20% dos meus aspectos da separação do Ira!, ou novidades que levaram a separação da banda G1 - Por que não tem fotos do Ira! no livro? Nasi - Achei por bem e por precaução judicial não explorar a imagem de ninguém que não fosse a minha pessoa, ou de músicos que estão em contato comigo. A forma como o Ira! acabou, por mais que não tenha litígios judiciais, a ferida ainda está um pouco aberta. Não queria que amanhã ou depois alguém chegasse e falasse assim: "olha, o uso indevido da minha imagem". Infelizmente isso são coisas que permeiam as biografias. Pra não deixar margem à dúvida, e como é algo centrado na minha pessoa, procurei não utilizar a imagem dos outros membros. Canja de galinha e cuidado não custam nada. G1 - Em uma das entrevistas da biografia você diz que o melhor disco do Ira! nunca foi gravado. Isso é um assunto pendente, uma frustração, ou apenas uma constatação? Nasi - É uma constatação. Não digo uma frustração, mas uma lamentação, porque o Ira! teve um período criativo muito bacana de 83 até o final de 84. Era um período em que nos dividíamos em outros trabalhos. Era quase um movimento que existia em São Paulo, do rock paulistano. Eu acho que desse curto período o Ira! teve uma sonoridade muito particular que não se repetiu em outras obras. Um punk ácido, dissonante, muito intenso, um repertório que depois, algumas dessas músicas foram lançadas até como complemento de outros álbuns, mas totalmente fora de contexto. Lamento que naquela época estivéssemos à margem da indústria. Tínhamos um contrato com a Warner, mas estávamos na geladeira da gravadora. Se tivéssemos registrado, eram músicas difíceis de tocar em rádio, mas de uma intensidade, um trabalho, uma versão que só quem viu naquela época pode conferir. G1 - No capítulo 12 da obra você afirma: 'Víamos o rock nacional se transformar em uma imensa bosta, sendo vendido como mercadoria de quinta categoria'. Acha que conseguiram conter esse movimento? Como analisa a produção hoje? Nasi - Toda vez que um movimento hegemônico se apresenta, não interessa qual é o gênero musical, o mais prejudicado é o próprio estilo. Apesar da década de 80 ter gerado artistas seminais como Barão Vermelho e Cazuza, Renato Russo e a Legião Urbana, Titãs, Ultraje [a Rigor], pra cada um desses existiam 10 Dr. Silvana [banda de rock carioca], e outras porcarias que falavam em nome do rock e preenchiam os programas de auditório. O rock se desgastou muito nessa época. Como gênero musical, deixou que suas principais características de rebeldia, discurso e atitude e até de uma música mais agressiva, fosse passado para um gênero que virou, em muitos momentos, comercial de sandália Melissa. Sobre agora: antigamente era pior, depois foi piorando. Apesar de trabalhos muito legais como O Rappa e Planet Hemp, tivemos um declínio importante de discurso. Faltaram, tirando essas poucas exceções que eu citei, novos poetas. Mas acredito que a criatividade é cíclica. Novamente virá um gênero que agrida as convenções estabelecidas. G1 - Se antigamente para cada banda boa de rock existiam '10 porcarias', hoje qual seria a sua estatística? Nasi - Hoje não tem mais bandas boas. G1 - Na biografia, você diz que exagerou na famosa entrevista a uma revista masculina, em 2006, ao declarar que já tinha transado com 1150 mulheres. Você realmente contabilizou suas conquistas? Nasi - Óbvio que eu nunca contei. Mas eu tenho minha avaliação de quantos shows eu já fiz na vida. Poderia dizer pra você como um homem que viveu bastante nesse sentido, como um cantor de rock solteiro, que eu tive pro número de shows que eu fiz, que passam de dois mil, digamos assim, prorrogação depois. G1 - A droga no começo do livro é relatada como importante fonte de inspiração. Depois, mostra seu sofrimento para manter-se limpo. Qual foi o papel da cocaína na sua vida? Nasi - Quando voltei a cheirar em 1991, foi um período que eu tinha mais uma vez fracassado em um relacionamento e vivia enfurnado na minha casa fumando [maconha] desde que eu acordava. Depois, fui entender que o estado mórbido e até depressivo não era só pelo fracasso amoroso, ou por dúvidas que naquele momento da profissão e carreira se apresentavam — a década de 90 foi uma decadência, não só pro Ira!, mas pro rock nacional em geral —. Toda aquela maconha me tornava uma pessoa mais fechada. Quando a cocaína veio, eu comecei a discotecar na noite paulistana. E foi um "pó de pirlimpimpim". Expansão do ego, comunicabilidade. Foi meio que uma cura. Esse foi o grande erro. Na hora que percebi que alterava minha saúde, sanidade, não consegui mais sair. Passava a usar pra viver e viver pra usar. Quando você é jovem, a experimentação vem muito forte. Hoje eu não acredito que a criatividade tenha a ver com o uso de drogas. G1 - O livro mostra o seu ego e o do Edgard se digladiando o tempo todo. Mas no final, sua mensagem é positiva para ele, e rancorosa com o André Jung [baterista do Ira!]. Por quê? Nasi - Eu procuro nem falar muito dele. Eu tenho uma história com o Edgard. Nós saímos da escola praticamente pro mundo musical juntos. Tenho um respeito muito grande por ele como músico, apesar dele viver hoje — e há muito tempo — uma crise criativa, que ele deveria olhar com menos arrogância, ou de uma maneira mais humana, humilde, talvez voltasse pra ele algumas inspirações mais superiores, eu não posso deixar de reconhecer que sempre fui fã dele como músico, antes de ter uma banda. Já tem esse respeito musical que me faz separar a pessoa do artista. Ao artista, eu realmente desejo tudo de bom. É um cara que ainda tem muito pra dar à música brasileira. O cara mais amigo que ele teve na vida fui eu. Eu que levei ele pro Ira! Os Titãs quando demitiram o André, colocaram a culpa nele pela falta de "peso" na banda. É como se um grande clube fosse trazer um jogador da série C pra ser o camisa 10. E eu banquei isso durante muito tempo. Às vezes quando a gente ajuda muito uma pessoa, a gente humilha ela. E pode provocar raiva. Acho que o André tinha algum complexo de inferioridade comigo. G1 - Um reencontro na formação original, então, seria impossível? Nasi - Eu não vejo horizonte pro Ira! voltar. Se em 27 anos a gente não digeriu isso ai, não vai ser agora em dois, três meses. Mas o Edgard, pelo músico que é, eu vejo uma possibilidade hipotética. Mas com o André eu não toco nunca mais. Pela pessoa que ele é e, principalmente, pelo baterista que ele não é.

Fonte: G1

Página Inicial